FALE CONOSCO
logo Clique aqui para conhecer o
Jornal Recomeço
Elaborado pelos presos da Cadeia Pública de Leopoldina - MG


DROGAS LEVAM JOVENS POBRES PARA A PRISÃO
Luciana Constantino e Iuri Dantas

80% dos usuários de drogas injetáveis já estiveram presos. Pesquisa do Ministério da Saúde com 85 mil dependentes revela que maioria é jovem, de baixa instrução e desempregada.


O Ministério da Saúde apresentou, em reunião da ONU (Organização das Nações Unidas) no início de abril, um estudo mostrando que 80% dos usuários de drogas injetáveis já foram detidos ao menos uma vez pela polícia. O dado foi utilizado como argumento para defender a política do ministério, que prevê a descriminalização do uso de drogas.

Pela primeira vez, técnicos da Saúde participaram da reunião da Comissão de Narcóticos da ONU, realizada anualmente. Desde 1998, a delegação brasileira era composta por integrantes da Senad (Secretaria Nacional Antidrogas). A exposição da Saúde, feita para representantes de 115 países, defendeu a descriminalização do usuário e a adoção da política de redução de danos.

Ou seja, o governo oferece equipamentos para o usuário poder fazer aplicação da droga, por exemplo. O objetivo é evitar contaminação, já que 85% deles dizem injetar drogas em grupo. O resultado disso são as altas taxas de contaminação por HIV (36,5%) e de hepatite C (56,4%). A pesquisa foi feita pelo Ministério da Saúde em parceria com a UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), nos anos de 1999 e 2001. A base do levantamento são os 85 mil usuários de drogas injetáveis atendidos pelo SUS (Sistema Único de Saúde).

De acordo com Denise Doneda, da Coordenação Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis/Aids, a política de redução de danos aliada ao trabalho de agentes de saúde pode despertar no usuário a consciência da necessidade de tratamento.

Essa proposta diverge das diretrizes da Senad. A Saúde não prega a abstinência e tolera o uso. Já a secretaria impõe como "punição" o tratamento obrigatório do usuário para que ele fique "limpo" das drogas. O ministério defende a descriminalização do usuário. A Senad acha que a sociedade não está pronta para isso. Segundo a pesquisa, a maioria dos usuários de drogas injetáveis atendidos pelo SUS é jovem (18 a 30 anos), tem pouca instrução e está desempregada (82%). Com base nesses números, o governo pretende expandir a rede de Centros de Atendimento Psicossocial, voltados para usuários de drogas e álcool. Hoje, existem 42 no país. A meta do ministério é implantar mais 78 até dezembro.

Artigo retirado da Folha de São Paulo - 02/05/2003


LUCIANA CONSTANTINO E IURI DANTAS DA SUCURSAL DE BRASÍLIA


RETORNAR A PÁGINA PRINCIPAL
Web hosting by Somee.com